DestaquesIndie GamesJogos e Tech

‘Shadows of Tomorrow: The Secret Files’ – Entrevista

Em 2019, no dia 8 de Agosto, comemorou-se os 45 anos desde a demissão do presidente norte americano Richard Nixon, depois do escândalo no caso Watergate. E este evento foi o que inspirou a primeira missão de Shadows of Tomorrow: The Secret Files, desenvolvido pela ST Studios. Reviver o assalto que decorreu em 1972, quando a sede do partido democrático no Hotel Watergate foi assaltada.

Shadow of Tomorrow é um stealth game dentro do edutainment, ou seja, uma experiência interactiva que pretende ensinar através dos videojogos, alguns aspectos educacionais. Neste caso, o objectivo é aventurar o jogador em cenários do século XX que foram considerados determinantes para o desenrolar do painel geopolítico contemporâneo. Ou por outras palavras, eventos que lançaram uma sombra para o amanhã, que ainda se faz sentir hoje.

Na primeira missão, o jogador assume o papel de um dos assaltantes do Hotel Watergate, e vai ter colocar telefone sobre escutas, roubar documentos e adquirir artefactos da época, que permitem compreender melhor o mundo naquele período. Missões seguintes vão levar o jogador a 1980 no Irão, para participar no resgate do pessoal da embaixada norte-americana em Teerão, sendo seguida por uma missão em 1986 na Ucrânia para reviver o incidente em Chernobyl, e mais tarde, em 1989 ao participar na queda do Muro de Berlin. Outras missões continuaram a levar o jogador a explorar o mundo, mas ainda estão em desenvolvimento.

Shadow of Tomorrow: The Secret Files está actualmente em desenvolvimento para PC e ainda sem data de lançamento oficial.

Falámos com o Luís Oliveira, um dos responsáveis pelo jogo, acerca desta aventura de percorrer a história e desenvolver um elemento jogável, com muitos segredos e mistérios por desvendar.

Fala-nos um pouco acerca do teu jogo.

Shadows of Tomorrow é um jogo com um grande foco na educação (edutainment), para experiências tanto casuais como hardcores, com um gameplay bem simples, bons gráficos e uma história totalmente verídica sobre o nosso passado, onde ainda hoje vemos as suas consequências – o nome do jogo revela isso mesmo, sombras do passado, com impacto no futuro.

Este é um jogo de Stealth visto de uma perspectiva um pouco mais clássica onde deixamos o jogador com várias missões, sendo que o próprio jogador irá descobrir pedaços da História do século XX, explorando e desvendando vários mistérios.

A primeira missão do  Shadows of Tomorrow é sobre o caso de Watergate, em 1972, depois do escândalo do Pentagon Papers, o jogador vai assaltar a sede do partido democrata, um caso que ficou historicamente relacionado com Richard Nixon, presidente dos Estados Unidos da América, e que levaria à sua demissão. E a mais uma quebra de confiança do público no governo, que afeta ainda hoje a relação entre ambos.

Esta é uma das imensas missões de vários temas fortes que ainda hoje são tão debatidos, como a crise de reféns no Irão (1980), o caso de Chernobyl (1986), a queda do muro de Berlim (1989), entre muitos outros, explicando assim à audiência, o nosso passado histórico da maneira mais apelativa.

A banda sonora é mais um dos pontos educacionais do Shadows of Tomorrow, onde através da música, tentaremos introduzir como era o ambiente sonoro de cada época.

Como começou a tua paixão pelos videojogos?

Eu tive a possibilidade de poder comprar a minha primeira consola ainda muito novo, jogava imenso com os meus primos e amigos. Principalmente, aqueles jogos de demonstração para a PlayStation que eram bastante baratos. Acabei por não só gostar de jogar como também comecei a apreciar cada detalhe de cada jogo. Foram momentos bastante divertidos, e de certa forma educacionais. Pelo menos, levaram até aqui e ao Shadows of Tomorrow.

Porquê um jogo edutainment, não violento?


Apesar de haver alguns jogos edutainment, poucos abordam os temas do nosso passado, assim, achei muito interessante poder fazer um projeto que ensinasse um pouco mais sobre a nossa história. Isto até começou com um trabalho académico sobre a guerra fria e foi crescendo. Sendo a História um ramo que me interesso imenso, agarrei esta oportunidade.

O jogo não é violento para que os menores possam aprender História, que costuma ser considerado um tema aborrecido. Com o Shadows of Tomorrow, espero que de uma maneira que mais interactiva, estes temas se tornem mais acessíveis. Aliás, esta forma pedagógica de ensinar está bem documentado nos circuitos académicos, e chama-se “Digital Games Based Learning”. E são esses os princípios que estou a seguir para o Shadows of Tomorrow.

Como é o dia a dia do desenvolvimento deste jogo? Quantas pessoas estão envolvidas? Quais os teus recursos?

Fazer um videojogo não é de modo algum tarefa fácil, o Shadows of Tomorrow começou a partir de uma proposta acadêmica e desde aí não o larguei. Ao início era só eu quem fazia tudo, a parte da modelagem 3D, os conceitos, o game design, a texturização, a programação… entre outras tantas tarefas. Cheguei a trabalhar mais ou menos 15 horas todos os dias, levantava-me às 9 e meia da manhã e começava logo a trabalhar. Havia dias que quando dava por mim era 2 da manhã (!) e outros em que acabava um pouco mais cedo. Talvez tenha sido uma rotina um pouco agressiva, mas agora, tenho ajuda e estou num ritmo muito mais saudável.

Esta ajuda veio na forma de dois colegas do mesmo ramo, que ajudaram-me a fazer outras partes do jogo. Como foi o caso do Tiago Patrício que me ajudou a fazer o trailer e alguns modelos para o jogo e a Filipa Cunha ajudou-me na parte do conceito do Shadows of Tomorrow como alguns posters e o logotipo. Felizmente tive a possibilidade de poder trabalhar com o Ricardo Cesteiro o Co-Founder e Producer da Camel 101, que agora é o meu mentor, que me ajuda imenso a fazer a programação sendo esta a parte onde tinha mais dificuldade.

Alguma sugestão para novos developers que estão agora a começar?

Não sou nenhum especialista no assunto, mas já tenho já alguns conhecimentos que adquiri graças ao processo de produção do Shadows of Tomorrow. Acho que é mesmo muito importante haver empenho, pesquisar bem as coisas que vão fazer antes de começar, ter muita paciência e que façam um horário. Não precisam de ficar a trabalhar até às tantas da noite, a organização é tudo. Trabalhem de forma inteligente.

Onde as pessoas podem seguir o teu trabalho?

Quem tiver interessado no Shadows of Tomorrow pode seguir-me no Instagram e no Twitter onde publico alguns trabalhos que faço e também novidades sobre o jogo, como também no meu Artstation para quem gosta muito de arte 3D e queira ver outros projetos meus:

Instagram: luis_oliveira.arte

Twitter: @LuisOliveirArtt

Artstation: https://www.artstation.com/lusoliveira

Utilizamos cookies para o devido funcionamento do nosso site. Ao utilizares o oitobits.io aceitas os nossos termos e condições.