78%
AnálisesCine & SériesDestaques

Análise a Jumanji: The Next Level

Jumanji: The Next Level é o terceiro filme de uma saga baseada num livro infantil de 1981 com o mesmo nome.
Jumanji (todos os 3 filmes) são de aventura, ação e comédia, com uma pitada de romance. Indicado para audiências acima dos 12 anos.

Elenco, personagens e personalidades:
Jumanji (1995): Robin Williams, Kirsten Dunst

Jumanji: Welcome to the jungle (2017): Dwayne Johnson, Karen Gillan, Kevin Hart, Jack Black e Nick Jonas

Jumanji: The next Level (2019): Dwayne Johnson, Karen Gillan, Kevin Hart, Jack Black, Nick Jonas, Danny DeVito, Danny Glover e Awkwafina

As personagens foram bem construídas, temos neste último filme uma percepção mais profunda da personalidade de cada personagem e os atores/atrizes que os interpretam foram muito bem escolhidos e conseguiram representar os traços essenciais de cada personagem.
(SPOILER ALERT) Durante a troca de avatares que existe ao irem aleatoriamente para o jogo, conseguimos perceber quem é quem pela boa representação. Esta troca de avatares só ajuda a que haja mais cenas engraçadas durante o decorrer do filme. Temos neste filme um leque mais variado de personalidades em relação ao filme anterior.

Pequeno resumo de Jumanji (1995):
Em 1969, Alan Parrish encontra um jogo de tabuleiro chamado Jumanji. Em casa, joga-o com Sarah, que rapidamente foge depois de ver Alan a ser sugado para dentro do jogo e ser perseguida pelos morcegos que saíram do jogo.
26 anos depois, em 1995, Judy e Peter vão viver com a sua tia para a casa dos Parrish e encontram o jogo no sótão. Curiosos começam a jogar o jogo e percebem que a cada jogada algo sai do jogo…inclusive Alan Parrish já adulto que ao ver que está em casa tenta encontrar os pais, mas descobre que foram á falência e acabaram por morrer. Para acabarem o jogo têm que encontrar Sarah e convencê-la a jogar e para que tudo volte ao normal. A cada jogada têm um novo desafio e cada vez mais perigoso…o caçador Van Pelt tenta impedi-los de acabarem o jogo, mas Alan consegue girar os dados no último minuto e tudo volta ao normal. Alan e Sarah voltam a 1969 nas suas formas de criança e anos mais tarde convidam os pais de Judy e Peter para uma festa de natal, onde os 4 se voltam a reencontrar e com a memória da sua aventura no jogo.

Pequeno resumo de Jumanji: Welcome to the Jungle (2017):
Em 1996, jumanji é encontrado na praia, Alex sem interesse num jogo de tabuleiro, deixa-o de lado e durante a noite o jogo evolui e passa a ser um videojogo…que Alex joga acabando por ser sugado para dentro do mesmo.
20 anos mais tarde, em 2016, um grupo de jovens que ficam de castigo na escola encontram o jogo e decidem jogá-lo sendo também sugados para dentro dele. Já no jogo estes 4 jovens percebem que estão no corpo de avatares e que têm forças e fraquezas e que apenas têm 3 vidas cada. As personagens têm que recuperar uma jóia que o vilão do jogo levou e voltar a metê-la no seu sítio…só assim vão poder sair de lá…no entanto precisam de encontrar a peça que falta (Alex, que esteve preso no jogo durante todo aquele tempo e que viveu na casa que Alan Parrish fez). Depois de terem acabado o jogo, os 4 voltam para o castigo e preocupados com Alex, vão até casa dele e encontram-no já crescido e com filhos, mas com a memória do jogo.

Pequena sinopse de Jumanji: The Next Level (2019):
Spencer, com a sua vontade de voltar a sentir-se capaz de fazer tudo, coisa que sentia quando estava no corpo do seu avatar Dr. Bravestone, volta a jogar o jogo ficando preso nele. Os seus amigos percebem que o têm que ajudar e vão atrás dele para acabar o jogo…o problema é que levam mais pessoas com eles para dentro do jogo.

Continuação narrativa de filme para filme e ligação de personagens:
A história que sempre se repete, seja em 1995 pela saída de animais do jogo, como pela entrada das personagens no jogo em formato de videojogo…é uma narrativa que se repete dando a entender que nunca vai parar até que se destrua totalmente o jogo.
No filme de 1995 temos logo de início 2 crianças a enterrarem o jogo, no final do filme temos Sarah e Peter a atirarem o jogo à água.
No filme de 2017 temos como início, o que parece ser o pai de Alex a encontrar o jogo na praia…acabamos com os 4 personagens (Martha, Spencer, Fridge, Bethany) a esmagarem o jogo com uma bola de bowling.
No filme de 2019 (SPOILER ALERT) temos um início normal, mas passado um pouco temos Spencer a voltar a montar o jogo meio partido…no final do filme temos os dois adultos a mexerem no jogo e a soltarem para o mundo real os animais do jogo.

Complexidade narrativa:
Para quem viu os 3 filmes, consegue perceber que o filme de 1995 envolve menos personagens e tem um objetivo exato sem muito “entraves”. No segundo já temos uma maior lista de personagens e locais assim como ambientes e a possibilidade de vários desfechos tanto no mundo do jogo como no mundo real. No terceiro filme ainda são adicionadas mais personagens e acabamos por ter uma complexidade de personalidades que trocam de corpo (avatar) e que torna o desfecho ainda mais variado. De um modo geral, com o passar dos anos o filme foi escrito cada vez mais complexo narrativamente como mini histórias que são contadas pelo meio para que possamos perceber melhor a personalidade de cada personagem.

Música nos filmes e seus compositores:
1995 – James Horner
2017 e 2019 – Henry Jackman

Os 3 filmes mantiveram a música de tema do Jumanji e todos têm um género épico. Na sua maioria os filmes são sonorizados por uma orquestra, no entanto há algumas vezes o uso de instrumentos mais nativos como flautas e tambores (coisa que é mais evidente no filme de 1995). Nos filmes de 2017 e 2019 a música dos filmes é basicamente a mesma, sendo usadas as mesmas músicas para os momentos emotivos nos 2 filmes…um bocado repetitivo e que demostra por um lado a repetição narrativa, ou para quem queira ser mais exigente na composição sonora de filmes…uma falta de originalidade.

Imagem dos filmes:
O filme de 1995 não pode ser comparado com os filmes de 2017 e 2019 por razões de evolução tecnológica e fílmica. Mas podemos observar as parecenças entre os filmes de 2017 e 2019. Sendo estes dois filmes apenas com 2 anos de distância não há muitas evoluções…nem em termos de efeitos especiais nem em termos de movimentos de câmara ou qualidade de imagem. São dois filmes muito parecidos a nível de imagem…chegando a ser novamente pouco originais…dando um exemplo a parte final em que acabam os dois filmes com movimentos de 360º com a câmara…uma vez para “celebrar” o beijo entre Spencer e Martha e para “celebrar” a amizade dos 4.

A maldição das sequelas:
Sendo Jumanji um filme inspirado num livro…e tendo já 3 filmes…não será de admirar que seja feito outro filme, visto que o filme acaba sempre com um final aberto que pode dar ligação a um novo. Mas a verdade é…será que é necessário? Um pouco ao estilo de Jurassic Park ou Transformers com todos aqueles filmes. A típica tática das empresas cinematográficas e a sua tentativa de “espremer o que já foi mais que espremido” recorrendo à nostalgia para poder ter audiências…que naturalmente acabam por cobrir os gastos dos filmes. Muitos dos filmes que têm sequelas são apenas “mais do mesmo” o que vela a que não sejam filmes “necessários”, mas que por o teor de divertimento e nostalgia acabam por ser feitos. Jumanji (2019) é apenas uma continuação de uma história que parece que não terá fim.

Visão geral do filme:
Para quem gosta dos filmes de Jumanji, com certeza irá gostar deste; tem mais complexidade narrativa, tem mais partes de comédia, tem um cruzamento de história mais evidente com o filme anterior, tem algumas partes inesperadas que só iram ajudar ao fator “comédia” do filme. É um ótimo filme para se ver com amigos visto que temos várias personagens e que de certeza alguém se vai identificar com elas.

 

Jumanji: The Next Level

Para quem gostou dos filmes anteriores irá gostar deste. Tem mais comédia, tem uma narrativa mais complexa e será um bom filme para ver com amigos.
70%

Geral

100%

Cast

60%

Música

80%

Narrativa

Pontos Positivos

  • +Narrativa mais complexa
  • +Atores/atrizes

Pontos Negativos

  • -Pouca originalidade na música
  • -"Mais do mesmo"...loop narrativo
78%
Sobre o autor

Artigos

Licenciada em Som e Imagem pelo IPL - ESAD.CR das Caldas da Rainha. Apaixonada por fotografia e cinema, com queda para a escrita e desenho...e com um estranho gosto por Psicologia. Conhecida no mundo dos audiovisuais pelo nome Kuro Lilie e no mundo real como Susana Lima.
Avatar

Utilizamos cookies para o devido funcionamento do nosso site. Ao utilizares o oitobits.io aceitas os nossos termos e condições.